::: Menu :::
:: Colunas
:: Artigos Técnicos
:: Vip Links

Enquete do Fórum

 
Que assunto deveríamos abordar no próximo Fórum?

Merchandising
Publicidade Online
Marketing Esportivo
Ética na Publicidade
   

 

 

 Fórum 

 

Design

::: Críticas :::
 
Envie sua opinião
sobre este texto
para o nosso e-mail:
contatos@alavip.com.br

Assim que recebermos, estaremos publicando seu texto para esquentar os debates.
 


       O que seria do mundo se não tivesse nome?

       Imagine você, se ao nascer não fosse registrado com um nome, um documento. Já imaginou se ninguém o fosse? Como nos comunicaríamos? Pareceríamos loucos tentando chamar a atenção de alguém específico na rua:

- Ei você!
- Quem eu?
- Não, aquele lá!
- Qual?
- O do seu lado esquerdo, 10 passos à frente!
- Esse?
- Isso, esse mesmo. Muito obrigado!

       Precisamos de um nome. Precisamos de um rótulo que nos identifique e nos diferencie uns dos outros. Por isso somos quem somos e o mundo é o MUNDO.

       O mesmo ocorre com os produtos. Já pensou chegar num supermercado e ver aquele monte de produtos de uma só cor? Como achar o que procura? Como encontrar o seu banco ou a sua loja favorita sem uma identificação?

       Assim fica mais fácil compreender a importância do design no nosso dia-a-dia. Situações como estas seriam parte do nosso cotidiano se não existissem as marcas, que identificam os produtos que gostamos, os serviços em que confiamos e até as roupas que vestimos. O verdadeiro valor do design está bem próximo de nós.

       O design no Brasil tem pouco mais de 30 anos sendo que sua explosão se deu no início da década de 90, com o surgimento das estações gráficas. O que aprendemos nesse tempo? O que desaprendemos? Afinal, O que é ser um designer?

       "Ser designer é ser criativo, inovador, ousado, ter sensibilidade, usar metodologia, conceitos que visam o bem-estar de uma comunidade. Dar nova forma, inovar materiais, arrojar naquilo que é necessário, buscar alternativas projetuais para o bem de consumo. Dar cara nova ao produto com visual atrativo. Isso aplica-se também na comunicação visual: identidade corporativa de empresas, diagramação de jornais e revistas, CD-Roms e a criação de páginas para Web". (Trecho extraído da revista Design Gráfico - Ano 5, nº 47, escrito por: Ailton Santos Silva)

       Tenho lido inúmeras matérias em revistas sobre design, tratando de qual seria a formação ideal para o designer. Percebo uma real divisão de pensamentos no que norteia esta discussão.

       Designers experientes, que vivenciaram a introdução do design no Brasil, salientam a importância da cultura, da arte, do conhecimento histórico, da observação de artistas renomados, etc.

       Os mais novos, que desde seus nascimentos viveram cercados pelos impactos causados pelas cores e formas do design moderno, acabam defendendo a idéia de que a sua formação se dá muito mais pela observação visual daquilo que está a sua volta, do que está ligada a raízes históricas da arte, etc.

       Os mais experientes, defendem que o bom designer, deve saber fazer design a partir de qualquer matéria, ou seja, aquelas brincadeiras de escola com cola, papel, e lápis de cor são fundamentais na formação do designer.

       Os novos designers (geração visual) acham aquela história de lambuzar os dedos de cola uma baboseira e dizem que só precisam de um computador e softwares de edição de imagem para fazer o bom design.

       
O trabalho do designer resultará não só no sucesso ou fracasso de um produto, mas principalmente no bem-estar ou mal-estar da sociedade. Deve-se ter consciência de que quando você cria algo que resultará em qualquer tipo de reação por parte da sociedade, estará fazendo parte da história, e se o design faz parte da história, então, com certeza, nós, novos designers, não podemos deixar de olhar para trás e analisarmos o impacto que as artes tiveram sobre nossos antepassados. Devemos saber lidar não apenas com o computador, mas saber que criar manualmente o design nos trará a idéia concreta e não apenas virtual, do impacto de nossa arte no espaço físico que nos rodeia.

       
Portanto, devemos saber conciliar o antigo e o novo, valorizar a história e ter olhos bem abertos para o futuro. Assim, poderemos prever tendências, criar marcas, produtos e identidades visuais capazes de transpor as barreiras do tempo, servindo certamente de exemplo para as futuras gerações de designers que buscarão na história os nossos excelentes trabalhos.

  • Qual a sua opinião?
  • Design se aprende na faculdade?
  • Aprende-se design apenas observando o que nos rodeia?
  • Para sermos bons profissionais de design devemos saber trabalhar ou criar também sem o computador?
  • O computador é, hoje em dia, essencial para a criação e design?

Contribua com o nosso fórum!

    Autor: Josias R. Wagner
     josias@alavip.com.br

    Confira o debate

 

 
Notícias Vip

 
Se você quiser
receber notícias Vip,
cadastre-se:

 
O 1º Portal Catarinense de Publicidade e Propaganda