::: Menu :::
:: Colunas
:: Artigos Técnicos
:: Vip Links

::: Tá na Mídia :::
 



Elton: Hoje o quadro Brainstorm do Programa Tá na Mídia recebe ELTON SOARES, Psicólogo e Consultor Empresarial da Dimensão Empresarial.
As empresas hoje estão exigindo a criatividade das pessoas? Elas trabalham em cima da criatividade das pessoas que estão para serem contratadas?

Elton Soares: Agora mais do que nunca. Criatividade hoje é uma competência. Ser um profissional empreendedor, inovador, corajoso e ousado já eram competências extremamente exigidas, mas hoje, no momento de crise que estamos vivendo, mais ainda. Eu vejo e ouço diretores que me dizem assim: "Olha, nós precisamos de profissionais que tragam idéias novas para problemas antigos que nós temos na nossa empresa". E como é que você vai trazer idéias novas se você é uma pessoa extremamente bloqueada, se você é uma pessoa que não quebra paradigmas, que não enfrenta desafios? Então, estão cada vez mais pedindo pessoas criativas, pessoas inovadoras. A outra questão que tu colocaste é se as empresas tem trabalhado a criatividade em relação a desenvolvimento, em relação a treinamento. Sem dúvida também. As empresas têm-se preocupado muito em estimular a criatividade que todos nós possuímos através de treinamentos, workshops e seminários. Porque se os empresários não tiverem uma política de retenção desses talentos através de treinamento, de desenvolvimento deste potencial criativo é possível que eles tenham dentro das suas empresas pessoas extremamente criativas mas que ainda não se deram conta disso.

Elton: Todos nós temos esse lado criativo. O que é que nos inibe de mostrar isso? Que tipo de problema pode nos deixar um pouco mais inibido com relação à criatividade?

Elton Soares: Olha Elton, no meu entender existem dois fatores que são fundamentais: existem os fatores externos, quer dizer, um ambiente que bloqueie a criatividade, um ambiente cerceador, uma chefia extremamente crítica e que não permite que o funcionário ou o colaborador traga novas idéias, um ambiente de muita pressão, muito stress, isso sem dúvida nenhuma poderá prejudicar, poderá bloquear o processo criativo. No entanto, existe um outro fator, que é o fator interno. Esse fator, ao qual eu atribuo um grau de importância maior, tem a ver com a tua inibição, com os teus bloqueios, com a educação que tu tivestes, com todos os nãos que tu recebestes e até com a infância. Inclusive tem uma pesquisa que mostra que uma criança, até os seus quatro anos de idade, é extremamente criativa. E quando ela entra na escola, quando ela começa todo o processo de alfabetização e ela começa a ter contato com o meio social, dos "não pode", dos "não deve", dos "só faça deste jeito", ela começa a perder essa naturalidade, essa espontaneidade, que alias é uma característica das pessoas criativas. E aí nós crescemos e eu até tenho brincado com isso, nós crescemos e meio que emburrecemos com relação à criatividade. Porque daí a gente começa a ter medo de fazer as coisas, começa a ter medo de ousar, começa a pensar o que os outros vão pensar a respeito da gente, começa a se preocupar muito com os outros e não criamos mais coisa nenhuma.

Elton: E de que forma você acha que a gente pode aguçar essa criatividade?

Elton Soares: Bom, eu costumo dizer o seguinte: o primeiro passo é a gente tomar consciência de que somos criativos, de que temos esse potencial e que se a gente não está conseguindo colocar em prática isso é porque temos alguma coisa dentro da gente que está impedindo isso. Tomada essa consciência, parte-se para o segundo passo que é acreditar mais que a gente pode e é capaz. Se você quer ser uma pessoa criativa, acima de tudo acredite em você mesmo. Aquela pessoa que é bem resolvida, que tem bom sendo de humor, que busca estar feliz apesar de todas as dificuldades, essa pessoa sem dúvida nenhuma vai ter mais facilidade para trabalhar com esses bloqueios. Porque o bloqueio continua ali, mais a forma que eu vou lidar com ele é o grande diferencial. Aqui está a grande diferença: como eu lido com isso? Como eu lido comigo mesmo? Como eu lido com as pessoas que estão ao meu redor?

Elton: Na publicidade a gente tem vários exemplos através dos comerciais. O comercial procura expor muitas vezes uma criatividade um pouco fictícia, escondida e às vezes até de não muito fácil interpretação. Você acha às vezes quanto mais difícil a interpretação mais criativo é o comercial?

Elton Soares: Não acho não. Eu sou muito defensor de que criatividade e simplicidade são irmãs gêmeas. A simplicidade nos comerciais é que realmente vai fazer a grande diferença. Porque quando você transforma aquilo que é complicado em algo simples aí sim você está falando em criatividade. Um exemplo é aquele comercial de margarina, onde tem um bombeiro que se atrasa um minuto e depois ele acaba virando herói. Quer dizer, ele fica um minuto a mais por causa da margarina e acaba virando herói, chegando de táxi no local do incêndio. Então quer dizer, essas mensagens com simplicidade acabam se tornando as mais criativas. Aí você diz: "Puxa, que sacada". Claro que aquelas mensagens mais subliminares, aquelas mensagens que te fazem pensar, aquelas imagens mais abstratas também são criativas.

Elton: O que você acha daquele outro comercial, onde eles fazem referência à linguagem muito peculiar dos filmes eróticos?

Elton Soares: Eu não conhecia, mas achei simplesmente fantástico. Quando você ouve, só ouve o "yes, yes" isso te sugere uma situação sexualizada. Quando entra o "no, no", aí você já não pensa mais assim. Essa jogada de fazer com que o telespectador pense primeiro numa coisa e depois noutra é extremamente criativa. Por exemplo, tem uma frase que eu curto muito e que uso muito nas minhas palestras que é a seguinte: "ser criativo não consiste necessariamente em você estar criando novas paisagens mas sim você olhar a mesma paisagem de uma forma diferente". Ou seja, é você ver o que todo mundo está vendo, mas pensar numa coisa diferente. Por exemplo Elton, deixa eu mostrar aqui. (Elton Soares pega uma cartolina e mostra aos telespectadores) Você acha que essa frase está correta? (A frase do cartaz: Repetir é preciso. Inovar não é preciso) Você concorda com isso?

Elton: Não. Acho que inovar é preciso. E repetir, dependendo do que for...

Elton Soares: Pois é, nós temos que ver o que todo mundo está vendo e ao mesmo tempo procurar ver de ângulos diferentes, de formas diferentes. Então nós temos que essa frase está corretíssima. Só que temos que ver a palavra 'preciso' não como verbo e sim como adjetivo. Ou seja, repetir é preciso. Quanto mais você repetir, mais precisão você vai ter. Agora, na inovação você nunca sabe o que vai acontecer. Então inovar não é preciso. Mas não é o preciso do verbo precisar e sim o preciso adjetivo. Inovar não é preciso, você nunca sabe. É igual aquela música do Caetano Veloso, "Os Argonautas", que diz assim: "Navegar é preciso, viver não é preciso". Quem disse que viver não é preciso? Mas quem sabe o que vai nos acontecer daqui a pouco? O grande lance da criatividade é esse: você vê o que todo mundo está vendo, mas você pensa alguma coisa diferente.
O grande barato da criatividade é isso. Você improvisar, pegar as pessoas de surpresa. Num quadro abstrato por exemplo: pode ser que você esteja vendo uma coisa e eu outra. E nesse momento você está treinando a sua criatividade. E principalmente, pare com aquela coisa: "isso não tem lógica". Porque aí você vai estar bloqueando a criatividade. Pare também com aquela frase: "isso eu nunca fiz antes". Pois essas são palavras, são frases muito bloqueadoras. É a mesma coisa que você dizer: "eu não sou criativo". Bom, se você mesmo está dizendo isso é pouco provável que você realmente consiga criar alguma coisa.

Elton: Na tua opinião, qual é a melhor fonte de inspiração que a gente pode ter para aguçar, para estimular essa criatividade?

Elton Soares: Tudo aquilo que faz com que você saia um pouco da rotina é fonte de inspiração. Por exemplo: dar uma caminhada num lugar onde você nunca caminhou; dar uma olhada num bom filme, mas num filme de um gênero que você não está acostumado a ver; escutar uma boa música, mas de uma forma mais eclética; namorar; transar. Quando a gente está apaixonado a gente não fica mais criativo? Até poesia a gente faz. Tudo isso é fonte de inspiração. E principalmente, muito contato com crianças porque a criança é uma fonte de inspiração fascinante.

Elton: Elton Soares, psicólogo, consultor empresarial e parceiro do Tá na Mídia. Muito obrigado por sua presença.

05/10/2002

 
Boletim Tá na Mídia

 
Se você quiser
receber as manchetes
dos programas
semanais do
Tá na Mídia,
cadastre-se:

 
O 1º Portal Catarinense de Publicidade e Propaganda